sábado, julho 02, 2005

Andámos a ensaiar para o ministro

Partes: 1 e 1,5 (bem,... quase até à parte 1 e 3/4)


Mandaram-nos descer a todos para o recreio e o director veio falar connosco. "Meus queridos meninos, disse ele, tenho o grande prazer de vos anunciar que, por ocasião da sua passagem pela nossa cidade, o Sr. Ministro vai dar-nos a honra de vir visitar a escola. Talvez não ignorem que o Sr. Ministro é um antigo aluno desta escola. (...) Pretendo que o Sr. Ministro receba aqui um acolhimento inesquecível e conto convosco para me ajudarem neste sentido." E o director mandou o Clotário e o Joaquim para o castigo porque andavam à bulha.
A
Depois, o director reuniu à sua volta todos os professores e vigilantes e disse que tinha ideias incríveis para receber o ministro. Para começar, íamos cantar todos a Marselhesa e depois, três dos pequenos avançariam com flores e dariam as flores ao ministro. É certo que o director tem ideias giras e receber flores será uma boa surpresa para o ministro; de certeza que não está à espera. A nossa professora ficou com um ar preocupado, e não percebo porquê. Acho a professora nervosa nestes últimos tempos.
A
O director disse que se ía começar o ensaio imediatamente e aí, ficámos bestialmente contentes, porque não íamos para a aula. A menina Vanderblergue, que é professora de canto, mandou-nos cantar a Marselhesa. Parece que não foi lá muito bem, no entanto, fazia-se um barulho bem giro. É verdade que estávamos um bocadinho adiantados (...) excepto o Rufus que não conhece a letra e que fazia "lálálá" e o Alceste que não cantava porque estava a comer um croissant. A menina Vanderblergue fez grandes gestos com os braços para nos mandar calar, mas em vez de ralhar com os grandes que estavam atrasados, ralhou-nos a nós que tínhamos ganho e isso não é justo. Talvez o que enfureceu a menina Vanderblergue, tenha sido o Rufus, que, como canta com os olhos fechados não tinha visto que era preciso parar e continuou a fazer "lálálá". A nossa professora falou com o director e depois com a menina Vanderblergue e depois o director disse-nos que só os grandes cantariam, os pequenos íam fingir. Experimentámos e correu muito bem, mas havia menos barulho e o director disse ao Alceste que não valia a pena fazer aquelas caretas para fingir que cantava e o Alceste respondeu-lhe que não estava a fingir que cantava, que estava a mastigar e o director deu um grande suspiro.
A
in O Menino Nicolau, Sempé - Goscinny
A
;o) The LBug