quarta-feira, julho 19, 2006

As faces...

... do medo:

A

Nos últimos tempos, lá na escola, assisti a um fenómeno único!

A

Já todos sabemos que o dinheiro (ou a sede dele) move o Mundo...

A

Já todos sabemos, também, que os maiores acontecimentos mundiais, que operaram transformações únicas a TODOS os níveis, foram movidos pelo ódio e pela raiva! (E não pelo "amor ao próximo", como era bem mais bonito, agradável e expectável, depois de J.C.!).

A

Mas...

A

... e o medo???

A

Ninguém fala dele!

A

E é um sentimento que revela facetas da personalidade de uns e outros muito pouco dignificantes (especialmente, para quem se propõe a ser um agente de educação).

A

Por medo,...

A

... se adopta uma postura arrogante e intimidatória face aos outros e se abusa do poder!

A

... se escolhe uma equipa de incompetentes, ignorantes e vulneráveis, igualmente possuídos pelo medo, para se ser detentor desse tal poder!

A

... se perde(m) facilmente a(s) memória(s) e, de uma forma também relativamente fácil, se invertem ou ultrapassam valores!

A

... se imiscuem em assuntos alheios e/ou privados, manifestando gratuitamente opiniões e fazendo juízos de valor!

A

... se exibem uns, quando acometidos de complexos de inferioridade, não fazendo sequer a mais pequena ideia do ridículo em que acabam, invariavelmente, por cair!

A

... se esforçam outros, para serem definitivamente rotulados de incapazes, sendo esta a única fuga possível a ter que lidar de frente com as suas incapacidades!

A

... se acomodam outros ainda, aceitando calados todos os abusos de poder de que são vítimas ou testemunhas!

A

... se tecem críticas, se fazem desabafos, se choram lágrimas em "conversas de canto de sala", colocando depois na boca de outros, as próprias palavras!

A

... se chega ao ridículo de ser preferível não fazer perguntas, porque as respostas podem não ser imediatamente entendidas!

A

... se destroem amizades, atacando e magoando o(s) outro(s), em vez de se optar por auto-avaliações, reconhecendo falhas evidentes e tentando colmatá-las!

A

Falta pouco, poucochinho, para que, por medo, se chegue a este cúmulo:


(o que os outros vêem)


(o que eles, por medo, pensam que os outros vêem)


Pois eu,...
A
A
... tenho medo do medo!!!
A
A
A
33
E acho que é mesmo do que tenho medo!
A
;o) The LBug

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Perfilados de medo

Perfilados de medo, agradecemos
o medo que nos salva da loucura.
Decisão e coragem valem menos
E a vida sem viver é mais segura.

Aventureiros já sem aventura,
perfilados de medo combatemos
irónicos fantasmas à procura
do que não fomos, do que não seremos.

Perfilados de medo, sem mais voz,
o coração nos dentes oprimido,
os loucos, os fantasmas somos nós.

Rebanho pelo medo perseguido,
já vivemos tão juntos e tão sós
que da vida perdemos o sentido...

Alexandre O'Neill

20/7/06 11:20  
Blogger The LBug said...

Belo este poema, sem dúvida!

Obrigada, Anónimo(a) de serviço!

Beijitos,

;o) The LBug

20/7/06 11:49  
Blogger Rui said...

Há um medo que nos faz sobreviver e há um medo que nos paralisa até à morte. Só os que fazem do exercício do poder o seu objectivo de vida é que não acham este último uma praga.

20/7/06 16:48  
Blogger Amélia said...

«A medo vivo, a medo escrevo e falo;
Hei medo do que falo só comigo;
Mais inda a medo cuido, a medo calo.

Encontro a cada passo com um inimigo
De todo bom espírito: este me faz
Temer-me de mi mesmo, e do amigo.

Tais novidades este tempo traz,
Que é necessário fingir pouco siso,
Se queres vida ter, se queres paz.»




António Ferreira –Carta XII - a Diogo Bernardes

25/7/06 16:45  
Anonymous Anónimo said...

Também eu tenho medo e muito do medo. Desse que tb eu sinto!

Um abraço

12/8/08 17:56  

Enviar um comentário

<< Home