quinta-feira, janeiro 19, 2006

Com uma piscadela de olho à minha companheira de blog, The Lbug, pelas “alfinetadas” que ela dá aos nossos “mandões” do governo, aqui transcrevo, de um apontamento meu de há muitos anos (por isso, não sei de que livro foi tirado) um poema de Bertolt Brecht:


Sente-se...
(nº 10 dos poemas relacionados com o “Manual para habitantes de cidades” – para disco -)

Sente-se
Está sentado?
Encoste-se tranquilamente na cadeira.
Deve sentir-se bem instalado e descontraído.
Pode fumar.
É importante que me escute com muita atenção.
Ouve-me bem?
Tenho algo a dizer-lhe que vai interessá-lo.

Você é um idiota.
Está realmente a escutar-me?
Não há pois dúvida alguma de que me ouve com clareza e distinção?
Então
Repito: você é um idiota.
Um idiota
I como Isabel, D como Dinis, outro I como Irene, O como Orlando, T como Teodoro, A como Ana.
Idiota.

Por favor não me interrompa.
Não deve interromper-me.
Você é um idiota.
Não diga nada. Não venha com evasivas.
Você é um idiota.
Ponto final.

Aliás não sou o único a dizê-lo.
A senhora sua mãe já o diz há muito tempo.
Você é um idiota.
Pergunte pois aos seus parentes
Se você não é um I.
Claro, a você não lho dirão
Porque você se tornaria vingativo como todos os idiotas.
Mas
Os que o rodeiam já há muitos dias e anos sabem que você é um idiota.

É típico que você o negue.
Isso mesmo: é típico que o I negue que o é.
Oh, como se torna difícil convencer um idiota de que é um I.
É francamente fatigante.

Como vê, preciso de dizer mais uma vez
Que você é um I.
E no entanto não é desinteressante para você saber o que você é
E no entanto é uma desvantagem para você não saber o que toda a gente sabe.
Ah sim, acha você que tem exactamente as mesmas ideias do seu parceiro.

Mas também ele é um idiota.
Faça favor, não se console a dizer
Que há outros I.
Você é um I.

De resto isso não é grave.
É assim que você poderá chegar aos 80 anos.
Em matéria de negócios é mesmo uma vantagem.
E então na política!
Não há dinheiro que o pague.
Na qualidade de I você não precisa de se preocupar com mais nada.

E você é I.
(Fomidável, não acha?)

Você ainda não está ao corrente?
Quem há-de então dizer-lho?
O próprio Brecht acha que você é um I.
Por favor, Brecht, você que é um perito na matéria, dê a sua opinião.

Este homem é um I.
Nada mais.

Não basta tocar o disco uma só vez.


(fiz uma busca na net e parece que este poema surge em Poemas de Bertolt Brecht, da Campo das Letras)

1 Comments:

Blogger 3za said...

A poesia é a ferramenta mais afiada que se conhece: insinua-se com subtileza exactamente onde é preciso. Dói mais assim. Ou dá mais prazer. Depende das palavras e dos pontos de vista...
(Recomenda-se bastante, nestes tempos de pouca luz.)
Obrigada Rui pelas tuas palavras. Cheguei aqui há tão pouco e acolheram-me com tanto mimo! Valeu bem a pena esta ideia de ano novo, que resolvi tecer assim suave nos entretempos.
Façam da minha teia a vossa casa, sempre que um pequeno instante de tempo vos sobrar e o vento vos levar até lá. Encontramo-nos por aí...

19/1/06 19:31  

Enviar um comentário

<< Home